Apoio na Manutenção da Recuperação

Para aqueles homens e mulheres, que identificam nas suas vidas, sinais e sintomas de dependência urge inverter esta tendência progressiva, crónica, compulsiva e definir um Plano realista e exequível onde todos os recursos humanos disponíveis são importantes. Numa primeira fase, interrompe-se a progressão da dependência activa. Depois desenvolve-se um conceito de abstinência (fecha-se um ciclo e inicia-se um novo).

O conceito relacionado com Recuperação implica pessoas, lugares e coisas. Através das relações com outras pessoas valoriza-se a importância dos vínculos e dos laços (Espírito de Equipa Solidário) onde se adquire uma perspectiva vasta, misteriosa e profunda daquilo que SOMOS capazes de atingir – Recuperação Duradoura da Dependência.

A Recuperação caracteriza-se:

Após a fase da abstinência, o indivíduo adquire auto-conhecimento e lucidez suficiente sendo-lhe restituída a liberdade de escolha (responsabilidade e direitos) em relação à progressão da dependência assim como, zelar pela manutenção da Recuperação.
O indivíduo identifica a sua incapacidade em controlar a dependência (substancias psicoactivas e/ou comportamentos). Expressa um desejo honesto e recorre a pessoas, lugares e coisas (recursos)
Compreende que é portador de uma condição patologia (dependência –bio.psico.social e ambiente) e não uma fraqueza moral.
Solidariza-se com pessoas que também optaram pela liberdade de escolha e de um novo estilo de vida – Recuperação Duradoura da dependência.
Pondera em retomar um estilo de vida saudável e pratica a integridade.
Ajusta-se às necessidades familiares, sociais e profissionais.
Retoma hábitos alimentares, descanso e sono.
(Re) Descobre novos talentos, objectivos, confiança e apoios.
Aprende e desenvolve competências. Explora, identifica e gere as suas emoções e impulsos.
Através da liberdade da dependência activa, da resiliência, do compromisso, da confiança e da honestidade é possível traçar um Rumo de vida com propósito e significado onde as outras pessoas assumem a verdadeira importância da qual dependemos, por exemplo, quando nascemos, quando atingimos a idade adulta, quando constituímos família e amizades saudáveis e construtivas e atingimos a idade sénior.
Podemos culpar os outros pelos nossos insucessos, pelas nossas frustrações. Aliás possuímos essa legitimidade. Todavia, em inúmeras vezes e situações somos a nossa pior companhia…e o nosso pior inimigo. Somos complexos, únicos e o “produto” de milhões (copias) de anos de evolução. A espiritualidade, não religiosa, é o local seguro onde nos podemos resguardar, com alguma segurança, de ambos os lados – dos outros e de nós mesmos.

João Alexandre Rodrigues
Addiction Counselor

GAT - Gabinete de Apoio Terapêutico - Apoio na Manutenção da Recuperação