Prevenção da Recaída

Os avanços científicos dos últimos 20 anos revelam que a dependência a substâncias psico-activas lícitas, incluindo o álcool, e as ilícitas, é uma doença crónica, recidivante (recaídas e deslizes) que resulta dos efeitos prolongados das drogas no cérebro. Tal como muitas outras doenças cerebrais, a dependência abrange aspectos comportamentais e de contexto social que são partes importantes da própria perturbação. Assim as abordagens terapêuticas mais efectivas incluirão componentes neuro-biológicas, comportamentais e de contextualização social.

Sabemos que a natureza das dependências (adicção) é demasiado complexa, de tal forma, que a recaída, em alguns casos é contemplada como parte do progresso da recuperação duradoura. Alguns indivíduos retornam, após um período de abstinência/recuperação, à adicção activa. Qualquer ser humano que deseje erradicar um comportamento problemático, na sua vida, a recaída é uma realidade sempre presente.

Alguns factores de risco associados à Recaída:

Perturbações do Humor

Perturbações da Ansiedade ex. pânico, Perturbação Obsessiva-Compulsiva (POC)

Distúrbios alimentares

Família “disfuncional” – ex. facilitação, encobrimento, protecção, negação. Membro de família que esteja no activo (substancia lícitas, incluindo o álcool, e as ilícitas)

Jogo Compulsivo

Relacionamentos de Intimidade e Compromisso

Isolamento social, incluindo os grupos de auto-ajuda

Pressão generalizada (recursos financeiros, trabalho, perda)

GAT - Gabinete de Apoio Terapêutico - Apoio na Manutenção da Recuperação